O que aprendi na Feira do Empreendedor SEBRAE

Olá Empreendedora!

Escolha bem quem seguir.

Ao seguirmos alguém estamos nos alimentando das informações que essa pessoa nos passa e isso pode ser produtivo e lucrativo para você ou não.

Falo isso pois ontem eu e meu grupo de empreendedoras passamos o dia na Feira do Empreendedor SEBRAE e claro, queríamos estar lá porque hoje o SEBRAE é um especialista em empreendedorismo e pequenos negócios. Queríamos beber daquela fonte e conhecer as novidades e lançamentos do mercado para melhorar nossa performance nos negócios, carreira e vida pessoal!

E o dia foi incrível mesmo! E das palestras, conversas, workshops e contatos que fiz na feira, aprendi muitas coisas e desejo compartilhar algumas com vocês aqui:

1- Nosso tempo é caro e precioso. Não o desperdice. Quando chegamos lá, há um mundo de opções para conhecer e interagir, e como estávamos em um grupo grande, precisamos dividir os interesses e liberar cada um para fazer aquilo que considerava relevante para si.

E assim é na vida e nos negócios. Muitas vezes perdemos tempo acompanhando um colega ou parceiro em um determinado projeto, mas aquilo não será tão útil pra mim. Posso sim ajudar, mas não devo investir muito tempo em algo que não me trará retorno. Precisamos lembrar que foco é dizer não para centenas de boas ideias. E foi assim que consegui concluir o circuito de palestras que havia identificado que seriam relevantes para mim e terminar o dia super cansada, porém realizada.

2- Não confie exclusivamente no seu cérebro e memória: anote tudo!! Faça comentários pessoais no papel, escreva seus sentimentos e percepção sobre aquilo que escreve. Transforme a experiência em um artigo pronto para ser publicado. Não esqueça dos detalhes. E não deixe pra depois.

O nosso dia tem muitas horas e fazemos muitas coisas diferentes. Às vezes isso é preciso e muitas vezes se torna uma distração. Ao final do dia você provavelmente não se lembrará de todas as notas importantes ou até mesmo ideias legais que teve ao longo de uma reunião, uma visita a um cliente ou a uma feira de empreendedorismo, como essa que fui.

Você sabe que além de anotar a informação e conteúdo aprendido, às vezes eu escrevo ao lado algum comentário sobre onde aplicar aquela informação no meu negócio ou vida. Se o palestrante falou sobre criar um ambiente que ative os 5 sentidos do cliente na minha loja, eu escrevo ao lado: disponibilizar chá funcional na recepção para os clientes. E assim, vou tendo insights e ideias a partir daquilo que estou aprendendo com outros.

3- Você é única e o mundo precisa saber disso. E mais do que anotar e ter insights baseados no que eu aprendi na feira do empreendedor do SEBRAE, eu preciso ter em mente que eu sou única e que o meu comportamento e a forma como eu vou dizer isso ao mundo, definirá os meus contatos, as minhas parcerias e o sucesso da minha carreira.

Não tenha vergonha de se expor e contar aos outros sobre você, sua trajetória e seu negócio. Não importa se é pequeno ou se você acabou de começar, conte aos outros sobre você e sobre ele. Envolva o outro com o seu sonho e faça seus olhos brilharem também. Conte com entusiasmo, com um sorriso carismático e de forma transparente. Nós precisamos ser os melhores vendedores do nosso próprio negócio e de nós mesmas. E há detalhes sobre o que você faz e como você faz, que ninguém consegue copiar. Aposte nisso!!Você é única! Num mar de empresas e empreendedores como na feira do empreendedor do SEBRAE eu consigo me identificar como única e preciso apostar nisso, trabalhando cada dia mais e melhor, gerando resultados superiores, preocupando-se com pessoas e agindo com ética, integridade e responsabilidade.

Vai fundo!

Vamos juntas!

Abraço,

Paula Dal Belo

Empatia e o seu poder transformador

Olá Empreendedora!!

Existe coisa melhor que conversar com alguém que parece estar sentindo exatamente o que estamos sentindo e passando? É como se essa pessoa com quem conversamos sentisse as dores, preocupação e mais, buscasse intensamente resolver a situação tanto quanto eu. O que acontece com essas pessoas? Elas possuem o dom da empatia.

Por definição, Empatia significa a capacidade psicológica para sentir o que sentiria uma outra pessoa caso estivesse na mesma situação vivenciada por ela. É tentar compreender sentimentos e emoções, procurando experimentar de forma objetiva e racional o que sente a outra pessoa.

É incrível como essa atitude pode transformar relações, criar vínculos, gerar maior produtividade e motivar uma equipe inteira! A empatia leva as pessoas a se ajudarem e saírem do individualismo e pensar no coletivo. Ou seja, deixe-me parar um pouquinho de olhar para o meu próprio umbigo e tentar entender o que essa outra pessoa que está conversando comigo está passando. E se você desenvolver bem esse talento, você pode ir além e descobrir coisas e causas que a aparência nem sempre revela, pois requer interesse em descobrir de quem ouve e carinho e respeito com o ser humano.

A palavra empatia se originou da fusão de duas palavras gregas, com seus respectivos significados: in – para dentro; –pathos – sentimento, por essa razão, consiste em fazer uma viagem para fora de si na tentativa de enxergar as situações da vida de uma outra pessoa sob o ponto de vista dela e ao mesmo tempo, procurar ser imparcial. Pois lembre-se: muitas vezes a pessoa que te conta algo não deseja necessariamente que você concorde com ela, mas que a entenda. E o fato de você dizer a ela “Nossa, eu entendo o que você passa e imagino que seja uma situação delicada” , não significa que você concorda com tudo o que ela fez para chegar àquele triste cenário.

Essa semana ministrei uma palestra para um grupo de servidores públicos da área da saúde e claro, abordei o tema da empatia. Fundamental nessa área (nas outras também ok?).

E usei um exemplo que nunca mais me esquecerei pois foi uma declaração de uma médica sobre quando ela recebe alguma criança com pneumonia ou outra doença grave. E a declaração e entendimento pra lá de empático foi o seguinte: ” A pneumonia foi a forma que a miséria usou para se expressar. Ou seja, a pneumonia foi a forma de dizer: olha meu filho está assim pois não temos dinheiro para comprar remédios. Ou essa criança está com pneumonia porque quando chove entra chuva dentro da nossa casa. Ou meu filho é mal nutrido, pois meu esposo está desempregado…” 

Eu me emocionei muito ao ouvir aquilo e ainda aqui escrevendo me emociono. Que visão empática e caridosa dessa médica. Que coisa maravilhosa! Essa nasceu para servir e precisamos muito de servidores.

Comece a praticar a empatia com um sorriso e com a disposição sincera de ouvir sem julgar. Você verá como tudo irá mudar 😉 

E depois me conte!

Abraço,

Paula Dal Belo

Invista em você e no seu desenvolvimento

Olá empreendedora!

Hoje o assunto aqui é tão sério mas infelizmente ainda vejo muitas pessoas o tratando como um “hobby”. Isso mesmo! Muitas pessoas tratam o desenvolvimento pessoal e profissional como tratam um hobby: só fazem quando dão prazer, não o praticam com disciplina e foco, afinal estão ali só para se “divertirem”, porém desejam obter resultados se comparando com pessoas que levam muito a sério o auto desenvolvimento e que por conta disso, geram resultados superiores! #naoémagica

Vou te contar uma coisa: o auto desenvolvimento não te trará apenas mais oportunidades profissionais ou prosperidade como consequência, nem tudo é sobre dinheiro, correto? A auto-aprendizagem apresenta vantagens primeiramente ao indivíduo e, conseqüentemente, à organização. Porque ao se conhecer melhor você fica mais consciente e focado no seu desempenho, nos seus talentos naturais e fraquezas e almeja o constante aperfeiçoamento, pois enxerga onde pode chegar se você treinar, treinar, aprender, aprender, realizar e realizar até chegar lá!

Fico impressionada quando ouço de algumas pessoas sobre irem ou não irem a determinada palestra, curso e workshops (muitas vezes gratuitos, hein?): “Ah se der eu vou…” ou “Se eu não for a tal lugar eu vou lá…”. E nessa de “boa intenção” de fazer algo, fazem suas inscrições e não aparecem, tirando a vaga de uma pessoa que gostaria de ter ido, por exemplo.

E quando falamos de cursos pagos então?! Minha nossa! Não parece tão óbvio que seja um investimento. Vejo pessoas defenderem a educação e a cultura com tanto fervor, mas para dizermos que valorizamos algo pergunto até onde você iria ou qual sacrifício realizaria por essa “causa”?

Em minha cidade o prefeito decidiu cortar gastos e infelizmente cortou o convênio da prefeitura com a orquestra sinfônica da cidade. Uma pena mesmo! Mas a pergunta que te faço é se essas pessoas que tanto reclamaram ou criticaram a decisão do prefeito, algum dia na vida pagaram por um concerto dessa orquestra na cidade??? Ou “frequentavam” e “fomentavam a cultura” somente “prestigiando” seus concertos gratuitos??!!

Não quero dizer aqui (jamais!) que não existe valor, conteúdo relevante e validade nos cursos gratuitos! Mesmo porque eu mesma realizo encontros semanais gratuitos através do movimento que lidero chamado LINDA TODA. O que desejo refletir com você é sobre trazer à consciência a importância de investir no seu desenvolvimento e não encarar como gasto aquilo que certamente lhe trará inúmeros benefícios. Considerando que o aprofundamento de questões e assuntos nós só conseguimos com um pouco mais de tempo, dificilmente encontraremos cursos de 1 semana ou superiores a 12 horas, gratuitos, não é mesmo??!

Bóra refletir sobre o que queremos colher. E identificar se as sementes que estamos plantando nos darão a colheita que esperamos. #ficaadica

Abraço!

Vamos juntas!

Paula Dal Belo

 

Networking e seu poder

O NETWORKING e seu poder

Olá empreendedora!

Como anda o seu networking? Ou rede contatos?

Primeiro, você precisa entender a palavra: Networking vem do termo em inglês “net” que significa rede e “work”, que significa trabalho. O networking nada mais é do que a sua rede de contatos dentro do contexto da sua área de atuação. OK?

E o networking sempre foi e será um dos princípios do empreendedorismo. Eu entendo que é impossível alcançar o sucesso em qualquer atividade ou ramo de atuação sem bons contatos e a troca de informações (informação é poder!) que existe quando nos relacionamos bem.

E quando eu digo relacionar-se bem eu quero fazê-las lembrar daquela frase que diz: “Somos a média das cinco pessoas com quem mais convivemos.” Portanto, olhe ao seu redor, analise o seu dia a dia e observe com quem você tem se relacionado? Quem tem sido a sua influência diária? Quais tem sido as suas fontes de informação, motivação e conteúdo? Você certamente obterá muitas respostas após essa análise. E o mais interessante é que com isso você entenderá a razão de fazer e repetir certas coisas, ter certos hábitos, fracassos ou sucesso! Afinal, as relações que cultivamos trazem resultados positivos ou negativos à nossa vida.

O networking é sem dúvida, um poderoso instrumento de conexão e interesses. Mas para isso você precisa estar no lugar certo e com as pessoas certas. No meu movimento de empreendedorismo feminino LINDA TODA (www.lindatoda.com.br) promovo encontro semanais onde além de agregar conteúdo e conhecimento relevante e de qualidade às empreendedoras, promovemos um momento único e poderoso de networking entre as participantes, momento oportuno de criar ligações com pessoas, conhecer outras empreendedoras, apresentar seu negócio e com isso, descobrir meios que possam contribuir com o seu negócio ou ajudá-la a desempenhar melhor o seu trabalho. E vice-versa. Afinal, trabalhamos com a mentalidade colaborativa, um dia você doa, outro dia recebe.

Se você souber desenvolver uma boa rede de contatos, novas possibilidades podem surgir, assim como parcerias e negócios.

Onde começar?  

Em todo lugar e a qualquer hora.

Primeiro você precisa ter em mente seus objetivos profissionais para otimizar a ampliação de sua rede de contatos. Pense em fóruns, eventos, encontros e palestras que reunirão o público que você almeja atingir e contactar. É interessante também procurar outras áreas (diversificar), complementares a sua para você expandir sua rede e com isso potencializar as ações do seu negócio, caso contrário você acaba frequentando sempre os mesmos lugares com o mesmo “tipo de público”, entende?

Lembre-se: empreendedorismo é movimento! Movimente-se!

Outra dica é que você busque e pergunte aos amigos sobre encontros e eventos que promovam o networking, bem como procurar participar de cursos e palestras voltados para a área em que você procura um parceiro.

E vale sempre lembrar que em relação a networking:qualidade vale mais do que quantidade. E para que as boas relações se mantenham, é preciso que elas estejam ativas e sejam cultivadas com atitudes de parceria, ética e confiança.

Isso lhe dará uma boa reputação  e essa sem dúvidas é o seu maior ponto forte!

Vamos juntas!!

Abraço,

Paula Dal Belo