No empreendedorismo de palco, seja artista de rua

Empreendedorismo, empoderamento, brain storm, benchmarking; do nada algumas palavras simplesmente entram na moda.  Como se fossem gírias dos adultos, depois dos loucos anos da adolescência o mundo continua da mesma forma, com a diferença que passamos a não ter que pedir autorização aos pais (embora muitas passem a solicitar dos maridos), as brigas e picuinhas continuam quase as mesmas. Inocentemente quando somos jovens acreditamos que com 30 e poucos anos, seremos maduros e não teremos que gastar energia com pormenores, mas infelizmente continuamos nos deparando com infantilidades e competições que levam de nenhum lugar para lugar nenhum.

E o empreendedorismo hoje virou o crush de 8 entre 10 pessoas… quase como se fosse uma regra, tornou-se artigo de luxo. Claro que em tempos de crise a criatividade está a mil, e quando a água bate na bunda todo mundo aprende a nadar, mas o extinto de sobrevivência não pode ser confundido com empreendedorismo e o empreendedorismo não pode ser visto como peça da moda que qualquer um pode comprar.

O empreendedorismo é um estilo de vida, quase que intrínseco ao seu dono… ele não pode ser ensinado. Pode claro, ser lapidado e melhorado, desenvolvido, mas a mente empreendedora não é matéria que se aprende, quase sempre ele vem de mãos dadas com o dom de liderar, com a facilidade de persuadir e com a insistência quase burra de acreditar e não desistir.

O fato da pessoa não ter a mente empreendedora não faz com que ela seja melhor ou pior, assim como existem pessoas tí­midas e as desenvoltas, as que gostam de humanas e os que amam exatas, os que adoram vermelho e os que não suportam azul, existem os empreendedores e os não empreendedores e está TUDO BEM. Mas assim como nasce um meme ou como surge um hino chiclete como Despacito, o empreendedorismo passou a ser quase que obrigatório a todo mundo e de um dia pro outro, todos da cidade resolveram virar empreendedores de bolo ou de barbearia.

Sem desmerecer nenhum nicho de negócio, mas é que tem coisas que ficam claras ser modismos… ou vocês acham mesmo que uma loja de bolo a cada esquina sobreviverá por mais de 5 anos, que vai ter barba suficiente pras 956 novas barbearias que abrem por dia ou ainda que as mulheres manterão as sobrancelhas de carvão pro resto das eras??? Clarooo que daqui a 20 anos, algumas mulheres ainda terão “bolarias”, ainda existirão lugares para as mulheres arrumarem as sobrancelhas mesmo se a moda mudar e as barbearias mesmo quando os homens voltarem a querer fazer depilação definitiva, ainda terão os que gostam de barba… mas com certeza os que sobreviverem aos anos são os que iniciaram o negócio por paixão, que encararam o negócio com propósito e fizeram da profissão estilo de vida.

Não sei dizer ao certo se o que houve foi a popularização do empreendedorismo ou a gourmetização da coisa, ser empreendedor passou a ser status; num belo dia o mestre, Dr, PHD quase responsável pela eleição do Donald Trump sai de seu cargo de gerência onde ganhava 5 dígitos facilmente, pega sua bolada, compra um quadro canvas, separa um dos 5 quartos de sua humilde residência… vez que os filhos já cresceram, um está fazendo mochilão na Europa, a mais nova casou e está em Lua de Mel nas Maldivas e os quartos ficaram quase que ao Deus dará, gritando que a sí­ndrome do ninho vazio bateu a porta. E nasce um empreendedor de boutique, lotando as paredes de diplomas com os cursos mais renomados, ele sabe falar de mandari­m ao dialeto persa… mas esquece de dar bom dia ao porteiro. Alguns anos depois seu negócio montado de forma exí­mia, com os melhores funcionários e melhor localização que o dinheiro pode pagar, fecha as portas e no restaurante caro reclama aos amigos, que o problema do Brasil é o brasileiro, que os impostos são caros, que os funcionários não dão valor, que o mundo tem quase um complô contra sua “mente empreendedora” e que a coisa não deu certo…por isso, pq se fosse na Europa… ahhhhh lá com certeza teria dado.

Mas tem também em contrapartida o repentista do empreendedorismo, aquele que nasce da necessidade, mandado embora sem saber o que fazer passa a vender o almoço pra comprar a janta…rebolando entre fazer brigadeiro, bolo no pote, vender as lingerie “prazamiga” e os catálogo de Avon. Esse empreendedor faz tudo o que aparecer, nem ele sabe exatamente o que faz, vende do alfinete a mãe. Ele não anda, ele corre… não sabe onde quer chegar, mas vai que é uma beleza, passa a vida dando os seus pulos, forma seus filhos, cria seus netos e fala no final da vida que só não deu certo, pq o problema do Brasil é o brasileiro, paizinho egoísta que só valoriza os ricos, quem tem estudo. Que se fosse um país justo que ele pudesse ter tido estudo, com certeza seria mais rico que o Silvio Santos. Pois ideias ele tem mais que o Steve Jobs, o que falta é oportunidade.

E existe o genuí­no…O EMPREENDEDOR, de mente empreendedora. Quando era criança organizava as brincadeiras, sempre sonhou mais que todo mundo, as pessoas sempre duvidaram que ele chegaria lá, em algum lugar. A confiança em si beira quase o egocentrismo, não por se amar e se achar acima dos outros mas por acreditar piamente que ele pode fazer a diferença… mesmo que 1 pessoa dentre 7 bilhões seja uma estatística desanimadora, ele acredita que toda mudança começa de dentro e que evolui ao conseguir convencer o próximo que seu sonho vale a pena. Ele não tem amigos, consegue cercar-se de admiradores, pessoas que se inspiram nele… ele erra, mas não tem vergonha de pedir desculpas. Ele cai, mas não tem vergonha de levantar, ele faz do feedback seu alimento, ele considera a cópia um elogio, aprende a usar a inveja como forma de apreciação.

Ele não rouba planos ou surrupia propósitos… ele tem prioridades, ele sabe exatamente o porque começou. Ele sabe que network não é uma agenda cheia de nomes, que relacionamento não é troca de contatos, ele conhece quem ofereceu água quando esteve com sede… e de sede ele entende, quando ninguém acreditou nele, fazia da solidão sua companheira silenciosa e de seus sonhos amigos incentivadores. As vezes ele tem dinheiro no banco, mas nunca foi escravo de cifrões, outras vezes só tem as ideias na mente mas sua auto confiança vale mais que qualquer digito. Ele sabe se relacionar, passaria horas conversando com o porteiro enquanto espera desembargador, ele pode usar roupa de grife ou peças de brechó mas nunca vai precisar de etiqueta para deixar sua marca. Ele defende sua verdade, ele é fiel aos seus valores, ele não tem vergonha de sua origem, ele defende o humano, tem sororidade. Sabe o que é empatia e foge de julgamentos… excêntrico e sem verdades absolutas, ele tem a segurança de mudar de ideia mas nunca trai sua essência.

Claro que o empreendedorismo de palco é lindo, um verdadeiro espetáculo…com lucro certo, ganho imediato, garantido pela bilheteria. Mas ele tem horário  para começar e data certa para sair de cartaz, com o ambiente controlado, a iluminação cuidadosamente valorizando o cenário, os atores podem representar a realidade que mandar o roteiro, o personagem que couber na história. Mas quando as cortinas fecham, voltam a ser os mesmos de antes. O empreendedorismo na prática, é como o malabarista do semáforo; acorda sem saber onde vai dormir, necessita apresentar-se faça chuva ou sol, se não o fizer não come. Um transeunte, onde os veículos são os parceiros, clientes, investidores… onde os malabares são família, vida pessoal, amores. Não tem controle das variáveis mas depende do show para sobreviver, a persistência o capacita diariamente.

Existem empreendedores do bem e do mal, o empreendedorismo é uma qualidade que algumas pessoas tem outras não… assim como existem os de olhos verdes e os que tem olhos pretos, por mais que você use lentes, você não consegue mudar sua retina.  Pablo Escobar, o cara era um empreendedor nato mesmo sendo um narcotraficante, mas não podemos deixar de valorizar seu poder de empreender. Bruna Surfistinha, literalmente um PUTA empreendedora… numa era que a internet nem era tão difundida, fez sua fama através de um blog, inspirou livro, filme e série. O que eu quero demonstrar é que o empreendedorismo atinge todas as camadas sociais, o empreendedorismo é altamente democrático afinal ele é uma qualidade como outra qualquer.

Não sinta-se culpado se você não se vê empreendendo, se você não se sente empreendedor… isso não é vergonha, daqui a pouco essa palavra sai dos top 10. O que não pode são pessoas motivadas por propósitos plagiados, acabar com economias de uma vida,  pessoas incentivadas por verdades alheias perder-se num mundo que não é seu, comprando batalhas que não são suas, o empreendedorismo é o trabalho trançado com a vida pessoal, ele não é glamouroso embora tenha momentos de glamour, ele é uma apresentação de Ballet Bolshoi, lindo de se ver e admirar, perfeito para postar mas o dia a dia… são os pés descalços da bailarina, é batalha atrás de batalha, é buscar emprego todos os dias, reinventar-se a cada hora, ter você como seu principal incentivador.  Curtidas, seguidores, reações, são métricas da vaidade que não alimentam um empreendimento, um negócio vive de resultados e eles são muito mais que engajamento, resultados não é uma rede social ou uma hashtag, o resultado vem de levar muita cara na porta, de muito piano carregado, de muita noite perdida, jantar frio.

Empreendedorismo é semear, paciência, resiliência… por isso aquela fatí­dica pergunta: O que você faria até de graça? Ela não é uma pergunta filosófica, para ficar bonita num curso online, ela envolve tudo que você perderia pelo seu sonho, tudo que você abriria mão por acreditar que tem razão, tudo que renunciará para continuar com a mesma motivação.

Empreendedorismo não é curso de férias, passatempo para enquanto o marido trabalha, hobby pro momento que os filhos estão na escola, segundo plano pra quando o chefe encher o saco, plano b de um momento menos afortunado. Não é um “vou tentar, quem sabe?” “vai que rola…”, Empreendedorismo não é um: “se nada der certo” ou então ; “se eu tenho sorte”… Se tem algo que ele não é, é sorte. É trabalho, onde você é escravo de si mesmo, ví­tima de sua persistência, prisioneiro de sua disciplina.

Não gaste energia com sonhos alheios, invejando méritos emprestados, não cobice a champanhe se você não tem escopo para passar sede, não acompanhe “na bebedeira” se você não sabe cair. Não empreste brinde se você não aguenta a ressaca. É frustrante, desnecessário e insatisfatório para você e sua famí­lia. Invista tempo, amor e desejo no que realmente te apetece e não ser como os outros não é demérito, gostar da vida corporativa não lhe faz inferior, amar ser dona de casa não lhe tira o brilho, sonhar em vender coco na praia pode ser sua motivação, querer passar num concurso também é desafiador, não ser milionário não te deixa menos merecedor.

As vezes a grama do vizinho é mais verde, porque no meu gramado tem muito mais festas… ame suas qualidades, valorize sua história, respeite suas paixões, entenda suas motivações, viva suas verdades.

 

Escrito por:

STEPHANIE BRASIL | CEO MATERNÓLATRA

Stéphanie Brasil é uma uma advogada sonhadora que o mundo corporativo não conseguiu segurar, blogueira e mãepresária. Apaixonada pela vida, louca pelos filhos, leonina convicta, autoconfiança muitas vezes é mais defeito do que qualidade, otimismo é a sua especialidade. Criou a rede colaborativa Maternólatra que visa o resgate social das mães.

 

 

 

 

As mulheres e as jóias: aliadas perfeitas!!

No século 21 as mulheres conquistaram de vez seu espaço e com o empoderamento feminino, os produtos ligados à beleza e vaidade também cresceram proporcionalmente.

E  seguindo esta evolução, as semi jóias, que gosto particularmente de chamar de´´jóias contemporâneas´´, tornaram-se verdadeiras ´´obras de arte´´, pois cada vez mais se assemelham às jóias, na beleza, qualidade, versatilidade, banhos com materiais antialérgicos, melhores preços, atendendo as necessidades dessa nova cliente, ou novo cliente, porque não? Pois os homens também estão cada vez mais vaidosos preocupados com a aparência e fazem uso de vários acessórios.

Quando me refiro a jóias contemporâneas, digo que as semi jóias acompanharam a todo esse movimento , somos mulheres práticas, de metas diárias, compromissos agendados, de imprevistos, sim.., imprevistos… pois somos humanas e temos nossas limitações , havendo uma necessiade de nos adaptar, de estar bem , com  autaestima elevada, tudo isso e muito mais, faz parte de nossa rotina.

Estar sempre DIVA, é uma missão difícil, temos muitos objetos de desejo, mas com as semi jóias, por tem um valor monetário menor, conseguimos diversificar, ter várias modelos e cores  combinando com o seu estilo ou mesmo o look do dia,  mixes de colares, pulseiras anéis e até brincos, são o TREND da estação.

O uso de determinada semi jóia  tem tudo a ver com o seu estado de espírito e personalide, suas características podem ser expressadas sim… pela maneira em que você as usa, claro que queremos ser lembradas e notadas por nossos comportamentos e ações, mas ao estar acompanhada de uma bela semi jóia, agragaremos um conjunto perfeito à obra.

Escrito por: Érica Moura

Empresária, diretora comercial, idealizadora da Sofie Claret Acessórios: que tem como um dos de seus maiores  valores o relacionamento com pessoas, e agregar ao maior número de mulheres possíveis, o quão perfeita é, sua VERDADEIRA beleza!!!

Você ainda acha que Assessoria Jurídica é luxo? Precisa rever seus conceitos!

Razões para contratar uma Assessoria Jurídica Mensal para sua empresa

Ao longo do texto será demonstrado que a Assessoria Jurídica mensal é: econômicapreventiva e multidisciplinar.

A Assessoria Jurídica habitual prestada ao Empresário (individual, sociedade empresária, EIRELI ou microempreendedor individual) é personalizada para cada empresa, considerando-se o porte e área de atuação. Tem o objetivo principal de manter a empresa atualizada quanto às normas jurídicas pertinentes ao setor que atua e, assim, delas se beneficiar, bem como prevenir conflitos judiciais e administrativos. Busca-se inclusive a proteção patrimonial da empresa e do empresário.

É importante esclarecer que a Assessoria Jurídica mensal engloba um pacote de serviços e busca a perpetuação da relação com o Empresário, enquanto a Assessoria Jurídica eventual/esporádica trata de um único assunto, sendo uma relação mais distante com o Empresário.

A Assessoria Jurídica mensal implica nas seguintes vantagens:

  1. Planejamento e Controle orçamentário: o empresário faz sua previsão de custos com o escritório de advocacia, não tendo surpresas com os honorários advocatícios contratados de forma esporádica e sempre inesperada;
  2. Atualização da Legislação pertinente ao seu negócio;
  3. Auditoria e Gestão Jurídica Preventiva e Contenciosa;
  4. Acompanhamento Negocial e de Contratos;
  5. Consultas e Pareceres que permitem esclarecer e orientar uma tomada de decisão do empresário;
  6. Cobrança extrajudicial;

Faça as contas de quanto você pagou por contratações de serviços de advocacia eventuais (normalmente 20% do valor do auto de infração para fazer a defesa tributária ou 30% das verbas pleiteadas em uma ação trabalhista etc).

O custo (salário e encargos) de uma Assessoria interna por meio de um Advogado celetista equivale, em média, ao custo (mensalidade) de uma Assessoria Externa, por meio de um escritório de advocacia. A vantagem da Assessoria está na disponibilidade, pois o escritório trabalha com prazos e metas, sempre disponível. Já o advogado celetista está restrito a uma jornada de trabalho de 20 horas semanais (o que passar disso é considerado hora extra!).

Assessoria Jurídica habitual permite que sua empresa tenha mais tempo para dedicar aos próprios objetivos de negócio, com toda a tranquilidade.

Escrito por: Thays Vallias

OAB/SP 239.589

São José dos Campos, 13/07/2017

Criatividade, questão de prática.

Olá Empreendedora!

Se vamos falar sobre empreendedorismo, ter criatividade é uma habilidade essencial. No entanto, há quem fale “ah, mas eu não sou criativa.” e faz parecer que ter criatividade é uma tarefa impossível.

Mas não se deixe enganar, criatividade também né prática, acredita:! Veja dicas para aumentar a criatividade e melhorar seu desempenho:

Relaxe por um momento

Quando relaxa, você refresca sua mente e a criatividade flui de forma mais natural. Você pode fazer algumas coisas tipo: dar uma caminhada na praia, praticar seu esporte favorito, ler um bom livro, assistir seu programa favorito na TV ou qualquer outra atividade que o ajude a se desligar e atingir um estado de relaxamento.

Experimente o diferente

Viver experiências novas, diferentes de tudo o que você está acostumado, ajuda a despertar a criatividade adormecida. Viaje para lugares desconhecidos, leia livros diferentes do que você não está acostumado, assim como filmes também, converse com pessoas que tenham um estilo de vida diferente do seu. Explore o desconhecido!

Aprenda algo novo

Artesanato, dança do ventre, culinária orgânica, alemão. Já pensou em fazer aulas de algo inusitado, uma atividade que nada tem a ver com o seu trabalho. Além de ser divertido, aprender algo totalmente novo ajuda a sair da zona de conforto e pensar de forma diferente.

Fique longe das telas

O computador e o celular são ferramentas essenciais de trabalho. No entanto, o uso em excesso desses dispositivos pode prejudicar o fluxo de boas ideias. Se a criatividade está em baixa, experimente passar um tempo longe das telas: escute uma música, desenhe ou dê um passeio. Separe um momento durante o dia de trabalho para se isolar, ficar tranquilo, deixar as redes sociais de lado e permitir que sua mente tenha em um descanso.

Crie listas

Isso é muito importante: criar listas sobre coisas da vida que fazem a diferença para você ajuda expandir seu pensamento criativo. Livros, músicas e comidas preferidas; lugares que visitou e te marcaram; metas para os próximos 5 anos…vai anotando!

Parta para a ação

Melhor do que planejar, é fazer!! Mais do que ter uma ideia, é preciso colocá-la em prática. Aumente sua criatividade partindo para a execução de algum projeto. Não tenha medo de experimentar tanto em pequena quanto em grande escala. Mesmo que você ainda esteja planejando o processo, comece e transforme sua ideia em ação.

Com essas dicas, aumentar a criatividade será questão de tempo. Coloque em prática agora! E depois me conte o que aconteceu 😉

Vamos juntas!

Abraço,

Paula Dal Belo

O que aprendi na Feira do Empreendedor SEBRAE

Olá Empreendedora!

Escolha bem quem seguir.

Ao seguirmos alguém estamos nos alimentando das informações que essa pessoa nos passa e isso pode ser produtivo e lucrativo para você ou não.

Falo isso pois ontem eu e meu grupo de empreendedoras passamos o dia na Feira do Empreendedor SEBRAE e claro, queríamos estar lá porque hoje o SEBRAE é um especialista em empreendedorismo e pequenos negócios. Queríamos beber daquela fonte e conhecer as novidades e lançamentos do mercado para melhorar nossa performance nos negócios, carreira e vida pessoal!

E o dia foi incrível mesmo! E das palestras, conversas, workshops e contatos que fiz na feira, aprendi muitas coisas e desejo compartilhar algumas com vocês aqui:

1- Nosso tempo é caro e precioso. Não o desperdice. Quando chegamos lá, há um mundo de opções para conhecer e interagir, e como estávamos em um grupo grande, precisamos dividir os interesses e liberar cada um para fazer aquilo que considerava relevante para si.

E assim é na vida e nos negócios. Muitas vezes perdemos tempo acompanhando um colega ou parceiro em um determinado projeto, mas aquilo não será tão útil pra mim. Posso sim ajudar, mas não devo investir muito tempo em algo que não me trará retorno. Precisamos lembrar que foco é dizer não para centenas de boas ideias. E foi assim que consegui concluir o circuito de palestras que havia identificado que seriam relevantes para mim e terminar o dia super cansada, porém realizada.

2- Não confie exclusivamente no seu cérebro e memória: anote tudo!! Faça comentários pessoais no papel, escreva seus sentimentos e percepção sobre aquilo que escreve. Transforme a experiência em um artigo pronto para ser publicado. Não esqueça dos detalhes. E não deixe pra depois.

O nosso dia tem muitas horas e fazemos muitas coisas diferentes. Às vezes isso é preciso e muitas vezes se torna uma distração. Ao final do dia você provavelmente não se lembrará de todas as notas importantes ou até mesmo ideias legais que teve ao longo de uma reunião, uma visita a um cliente ou a uma feira de empreendedorismo, como essa que fui.

Você sabe que além de anotar a informação e conteúdo aprendido, às vezes eu escrevo ao lado algum comentário sobre onde aplicar aquela informação no meu negócio ou vida. Se o palestrante falou sobre criar um ambiente que ative os 5 sentidos do cliente na minha loja, eu escrevo ao lado: disponibilizar chá funcional na recepção para os clientes. E assim, vou tendo insights e ideias a partir daquilo que estou aprendendo com outros.

3- Você é única e o mundo precisa saber disso. E mais do que anotar e ter insights baseados no que eu aprendi na feira do empreendedor do SEBRAE, eu preciso ter em mente que eu sou única e que o meu comportamento e a forma como eu vou dizer isso ao mundo, definirá os meus contatos, as minhas parcerias e o sucesso da minha carreira.

Não tenha vergonha de se expor e contar aos outros sobre você, sua trajetória e seu negócio. Não importa se é pequeno ou se você acabou de começar, conte aos outros sobre você e sobre ele. Envolva o outro com o seu sonho e faça seus olhos brilharem também. Conte com entusiasmo, com um sorriso carismático e de forma transparente. Nós precisamos ser os melhores vendedores do nosso próprio negócio e de nós mesmas. E há detalhes sobre o que você faz e como você faz, que ninguém consegue copiar. Aposte nisso!!Você é única! Num mar de empresas e empreendedores como na feira do empreendedor do SEBRAE eu consigo me identificar como única e preciso apostar nisso, trabalhando cada dia mais e melhor, gerando resultados superiores, preocupando-se com pessoas e agindo com ética, integridade e responsabilidade.

Vai fundo!

Vamos juntas!

Abraço,

Paula Dal Belo

Empatia e o seu poder transformador

Olá Empreendedora!!

Existe coisa melhor que conversar com alguém que parece estar sentindo exatamente o que estamos sentindo e passando? É como se essa pessoa com quem conversamos sentisse as dores, preocupação e mais, buscasse intensamente resolver a situação tanto quanto eu. O que acontece com essas pessoas? Elas possuem o dom da empatia.

Por definição, Empatia significa a capacidade psicológica para sentir o que sentiria uma outra pessoa caso estivesse na mesma situação vivenciada por ela. É tentar compreender sentimentos e emoções, procurando experimentar de forma objetiva e racional o que sente a outra pessoa.

É incrível como essa atitude pode transformar relações, criar vínculos, gerar maior produtividade e motivar uma equipe inteira! A empatia leva as pessoas a se ajudarem e saírem do individualismo e pensar no coletivo. Ou seja, deixe-me parar um pouquinho de olhar para o meu próprio umbigo e tentar entender o que essa outra pessoa que está conversando comigo está passando. E se você desenvolver bem esse talento, você pode ir além e descobrir coisas e causas que a aparência nem sempre revela, pois requer interesse em descobrir de quem ouve e carinho e respeito com o ser humano.

A palavra empatia se originou da fusão de duas palavras gregas, com seus respectivos significados: in – para dentro; –pathos – sentimento, por essa razão, consiste em fazer uma viagem para fora de si na tentativa de enxergar as situações da vida de uma outra pessoa sob o ponto de vista dela e ao mesmo tempo, procurar ser imparcial. Pois lembre-se: muitas vezes a pessoa que te conta algo não deseja necessariamente que você concorde com ela, mas que a entenda. E o fato de você dizer a ela “Nossa, eu entendo o que você passa e imagino que seja uma situação delicada” , não significa que você concorda com tudo o que ela fez para chegar àquele triste cenário.

Essa semana ministrei uma palestra para um grupo de servidores públicos da área da saúde e claro, abordei o tema da empatia. Fundamental nessa área (nas outras também ok?).

E usei um exemplo que nunca mais me esquecerei pois foi uma declaração de uma médica sobre quando ela recebe alguma criança com pneumonia ou outra doença grave. E a declaração e entendimento pra lá de empático foi o seguinte: ” A pneumonia foi a forma que a miséria usou para se expressar. Ou seja, a pneumonia foi a forma de dizer: olha meu filho está assim pois não temos dinheiro para comprar remédios. Ou essa criança está com pneumonia porque quando chove entra chuva dentro da nossa casa. Ou meu filho é mal nutrido, pois meu esposo está desempregado…” 

Eu me emocionei muito ao ouvir aquilo e ainda aqui escrevendo me emociono. Que visão empática e caridosa dessa médica. Que coisa maravilhosa! Essa nasceu para servir e precisamos muito de servidores.

Comece a praticar a empatia com um sorriso e com a disposição sincera de ouvir sem julgar. Você verá como tudo irá mudar 😉 

E depois me conte!

Abraço,

Paula Dal Belo

Networking e seu poder

O NETWORKING e seu poder

Olá empreendedora!

Como anda o seu networking? Ou rede contatos?

Primeiro, você precisa entender a palavra: Networking vem do termo em inglês “net” que significa rede e “work”, que significa trabalho. O networking nada mais é do que a sua rede de contatos dentro do contexto da sua área de atuação. OK?

E o networking sempre foi e será um dos princípios do empreendedorismo. Eu entendo que é impossível alcançar o sucesso em qualquer atividade ou ramo de atuação sem bons contatos e a troca de informações (informação é poder!) que existe quando nos relacionamos bem.

E quando eu digo relacionar-se bem eu quero fazê-las lembrar daquela frase que diz: “Somos a média das cinco pessoas com quem mais convivemos.” Portanto, olhe ao seu redor, analise o seu dia a dia e observe com quem você tem se relacionado? Quem tem sido a sua influência diária? Quais tem sido as suas fontes de informação, motivação e conteúdo? Você certamente obterá muitas respostas após essa análise. E o mais interessante é que com isso você entenderá a razão de fazer e repetir certas coisas, ter certos hábitos, fracassos ou sucesso! Afinal, as relações que cultivamos trazem resultados positivos ou negativos à nossa vida.

O networking é sem dúvida, um poderoso instrumento de conexão e interesses. Mas para isso você precisa estar no lugar certo e com as pessoas certas. No meu movimento de empreendedorismo feminino LINDA TODA (www.lindatoda.com.br) promovo encontro semanais onde além de agregar conteúdo e conhecimento relevante e de qualidade às empreendedoras, promovemos um momento único e poderoso de networking entre as participantes, momento oportuno de criar ligações com pessoas, conhecer outras empreendedoras, apresentar seu negócio e com isso, descobrir meios que possam contribuir com o seu negócio ou ajudá-la a desempenhar melhor o seu trabalho. E vice-versa. Afinal, trabalhamos com a mentalidade colaborativa, um dia você doa, outro dia recebe.

Se você souber desenvolver uma boa rede de contatos, novas possibilidades podem surgir, assim como parcerias e negócios.

Onde começar?  

Em todo lugar e a qualquer hora.

Primeiro você precisa ter em mente seus objetivos profissionais para otimizar a ampliação de sua rede de contatos. Pense em fóruns, eventos, encontros e palestras que reunirão o público que você almeja atingir e contactar. É interessante também procurar outras áreas (diversificar), complementares a sua para você expandir sua rede e com isso potencializar as ações do seu negócio, caso contrário você acaba frequentando sempre os mesmos lugares com o mesmo “tipo de público”, entende?

Lembre-se: empreendedorismo é movimento! Movimente-se!

Outra dica é que você busque e pergunte aos amigos sobre encontros e eventos que promovam o networking, bem como procurar participar de cursos e palestras voltados para a área em que você procura um parceiro.

E vale sempre lembrar que em relação a networking:qualidade vale mais do que quantidade. E para que as boas relações se mantenham, é preciso que elas estejam ativas e sejam cultivadas com atitudes de parceria, ética e confiança.

Isso lhe dará uma boa reputação  e essa sem dúvidas é o seu maior ponto forte!

Vamos juntas!!

Abraço,

Paula Dal Belo

Empresa endividada? Saiba qual credor priorizar.

Olá Líder!!

Esse assunto não deve ser tabu entre as empresárias e tão pouco em um momento de crise como o que o país está atravessando. O certo é conversar com pessoas que entendem de finanças e outras empresárias que você confia e ouvir o que essas pessoas fazem ou fizeram de diferente de você e aprender com elas. SEMPRE temos o que aprender quando estamos dispostas a ouvir, de verdade!

Primeiro, se você possui alguma reserva, o aconselhável é usar as reservas para quitar a dívida e seja rápida nesse processo. Os especialistas alegam que a rentabilidade do investimento é sempre menor que os juros que a pessoa vai pagar. Lembre-se que infelizmente o nosso Brasil é um dos países com os maiores juros do planeta! #querecorde

Mas, se você não tem um tostão furado, o primeiro passo é listar todas as dívidas para você visualizar tudo o que deve realmente, muitas vezes fugimos desse momento pois temos medo de encarar o problema, mas quando o encaramos nem sempre a situação é tão feia quanto parece. Mantenha a calma e foco!

Agora sim: ao analisar as dívidas, priorize os gastos que mantêm a empresa aberta e funcionando, afinal você não pode deixar de pagar as contas de água, luz e telefone para pagar um fornecedor de matéria-prima, por exemplo. Que empresa sobreviverá sem luz? Já o fornecedor de insumo ou produtos, você pode negociar a dívida.

E quando você for negociar com os fornecedores atrasados, selecione aqueles que são essenciais para o seu negócio, dos quais os produtos são bem vendidos, entende?! E também aqueles fornecedores que você tem uma maior margem de lucro em seus produtos.

Por último, vale considerar que se não houver a possibilidade de você levantar o dinheiro através de suas próprias vendas ou capital de giro, considere pedir um empréstimo bancário. Mas verifique antes com os seus credores se é possível o parcelamento da dívida. O importante de se verificar na hora de realizar um empréstimo é se os juros praticados pelo banco é menor que os das dívidas. Por exemplo, se forem dívidas de cartão de crédito e cheque especial, esses possuem juros altíssimos, então nesse caso talvez valha a pena o empréstimo.

De qualquer forma, um empréstimo deve ser a última alternativa para levantar dinheiro para pagamento de dívidas, ok?

E sempre, sempre pense e repense em novas ideias e possibilidades de levantar um dinheiro extra com o seu negócio! Faça encontros, convide parceiros e os próprios fornecedores podem te ajudar, fornecendo brindes e degustações, por exemplo.

Não perca o ânimo! Siga em frente! Movimente-se, esse deve ser o mantra da empreendedora: movimento!

E vamos juntas!!

Abraço,

Paula Dal Belo

E você? Está afiando o seu machado?

 

afiando-o-machado

Olá Empreendedora!

Quero compartilhar contigo uma história que muito tem a nos ensinar:

“No Alasca, um esporte tradicional é cortar árvores. Há lenhadores famosos, com domínio, habilidade e energia no uso do machado. Querendo tornar-se também um grande lenhador, um jovem escutou falar do melhor de todos os lenhadores do país. Resolveu procurá-lo.

– Quero ser seu discípulo. Quero aprender a cortar árvore como o senhor.

O jovem empenhou-se no aprendizado das lições do mestre, e depois de algum tempo achou-se melhor que ele. Mais forte, mais ágil, mais jovem, venceria facilmente o velho lenhador. Desafiou o mestre para uma competição de oito horas, para ver qual dos dois cortaria mais árvores.

O desafio foi aceito, e o jovem lenhador começou a cortar árvores com entusiasmo e vigor. Entre uma árvore e outra, olhava para o mestre, mas na maior parte das vezes o via sentado. O jovem voltava às suas árvores, certo da vitória, sentindo piedade pelo velho mestre.

Quando terminou o dia, para grande surpresa do jovem, o velho mestre havia cortado muito mais árvores do que o seu desafiante.

– Mas como é que pode? – surpreendeu-se. Quase todas as vezes em que olhei, você estava descansando!

– Não, meu filho, eu não estava descansando. Estava afiando o machado. Foi por isso que você perdeu.”

Aprendizado é um processo que não tem fim. Sempre temos algo a aprender. O tempo utilizado para afiar o machado é recompensado valiosamente. O reforço no aprendizado, que dura a vida toda, é como afiar sempre o machado.

E para nós, empreendedoras, como podemos afiar nosso machado?

Participando de cursos, workshops e grupos de estudos. Trocando ideias com outras empreendeodoras e empresárias para uma aprender com a outra.

De forma geral, movimente-se. Saia do lugar. Frequente lugares onde você pode agregar conhecimento relevante e crescer, assim como contribuir para o crescimento de alguém, É gratificante e a vida lhe dá em dobro.

Continue afiando o seu machado! Acompanhe nossas ações na fanpage https://www.facebook.com/lindatodabypauladalbelo/

 

Vem comigo! Vamos juntas!

Abraço,

Paula Dal Belo

www.pauladalbelo.com.br

Se você é boa em dar desculpas, não será boa em mais nada

Olá Líder!!
Acostume-se a dar desculpas e falsas justificativas a si mesma e aos outros que em NADA mais você será BOA!

Quem muito procura justificativas e razões para procrastinar, deixar de fazer algo importante, adiar compromissos e tarefas e até obrigações, logo, logo perceberá que não só perdeu oportunidades e desafios, mas perdeu também a credibilidade e a confiança das pessoas.

Cada dia que passa eu acredito mais no poder que existe na autorresponsabilidade! Ou seja, nós somos os únicos responsáveis pelos RESULTADOS que obtemos. Temos diariamente o poder da ESCOLHA e se escolhemos ou não algo (o não escolher também é uma “escolha”), colheremos todas as consequências (boas ou más) daquela decisão.

Isso quer dizer que ao darmos desculpas, adiamos o momento da escolha ou anulamos esse momento, muitas vezes passando essa responsabilidade à outro e dando a esse outro um dos nossos maiores poderes: o livre arbítrio! Podemos até pensar que estamos nos “livrando” de uma responsabilidade, quer seja por medo, insegurança, incompetência ou preguiça. Mas, saiba que qualquer que seja a razão, nós não nos livraremos da colheita.

O corpo não deixa de envelhecer porque você não tem tempo ou dinheiro para cuidar dele. Assim como o seu negócio não prosperará se você negligenciar suas estratégias quer seja por inexperiência ou imaturidade.

Portanto, USE a incrível oportunidade de fazer as ESCOLHAS a cada dia da melhor forma possível e elimine esse péssimo hábito de dar desculpas, elas não nos leva a lugar algum e o mundo não perdoa quem não cuida do que é seu!

Vamos juntas!

Abraço,

Paula Dal Belo

Liderança Empreendedora Feminina

se-vc-e-boa-em-dar-desculpas